quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Hora tranquila


Quanto tempo do seu dia você deposita no relacionamento com Deus?

Já sabemos que somos suficientemente incapazes para sermos bons e buscarmos felicidade dentro de nós. Por quê? Toda a fonte de alegria, felicidade e poder estão fora de você e de mim, encontra-se no bondoso Pai dos Céus.

Ser dependente de Deus, às vezes me perturba porque somos ensinados a ser independentes em tudo nos níveis que compõem nossas vidas. No entanto, identifico que Deus é meu Criador, Ele sabe mais de mim do que eu mesmo, Ele sabe o que é melhor para mim. Sendo assim, passa a ser lógico a mensagem: “Confie em Deus, e o mais Ele fará”. Isso significa claramente se colocar nas mãos desse amoroso Pai, se tornando dependente dEle em todas as coisas.

Em qualquer relacionamento, para alguém se tornar dependente, é preciso confiar no outro, e para tal processo acontecer, a condição necessária, é conhecer em detalhes esse outro. Com Deus não é diferente. À medida que você se deixa aprofundar no conhecimento do caráter de Deus e de seus princípios, você vai aprendendo a confiar no que lhe ocorre e assim se tornar dependente dEle.

Observe que o ponto de partida é conhecê-lo e assim os demais passos são conseqüências naturais. Portanto, como conhecer Deus? Na minha experiência espiritual considero as seguintes atividades:

1)Orar diariamente a Deus, contando sua vida. Ele o conhece perfeitamente, mas o ato de você escolher conversar com Deus fazem grande diferença no seu coração e no coração do Seu Pai;
2)Estudar a Palavra, onde você encontra ensinamentos e instruções necessárias para viver em felicidade;
3)Buscar se alimentar de Deus através de boas leituras, como meditações e literaturas que lhe ajudem a crescer espiritualmente.

Parece simples praticá-las, mas na correria com escola, trabalho, família e outras obrigações, muitas vezes colocamos tais tarefas em segundo, talvez até em terceiro plano, isso quando colocamos, comprometendo nosso relacionamento com Deus. E assim devemos nos esforçar para desenvolver a hora tranqüila, um momento diário entre você e Deus para exercitar as duas primeiras e principais atividades acima.

Por que então não acordar trinta minutos antes e ir falar com Deus? Será que o Pai que cuida de você não merece esse pequenino esforço? Será que dormir trinta minutos a mais, por exemplo, é mais importante do que abrir seu coração Àquele que fez os Céus, terra e mar?

Há uma canção belíssima intitulada “Falar com Deus” (Lineu Soares) e dos benefícios que esta ação pode propiciar a você: faz bem a alma, é tudo que seu coração precisa, irá lhe satisfazer, sentirá que os Céus estão abertos e ouvirá a voz do Salvador.

Experimente ter sua hora tranqüila porque só em Deus sua vida faz sentido, lhe dando forças para viver os bons e maus que lhe acontece, e por fim receber o que Ele irá colocar inteiramente para você, Sua verdadeira paz.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Falar mal


A vida em sociedade mostra pessoas que desperdiçam boa parte do tempo falando mal, ou em outras palavras, fazendo fofocas da vida alheia.

Lembre-se que o ser humano está afastado de Deus e a cada escolha consciente ou não de evitar buscá-lo através de oração sincera e estudo cuidadoso de Sua Palavra, cai em terreno perigoso, daqueles que certamente lhe poderão ferir a alma ao falar mal de alguém, por exemplo.

Difícil afirmar o que leva à fofocar, no entanto, existem algumas prováveis motivações:

1)Chamar atenção de quem está ao redor, fazendo comentários pejorativos de colegas ou familiares;

2)Desprestigiar pessoas por hábito ou razões mais profundas, denotando falta de segurança em si próprio;

3)Destruir pessoas em sociedade.

Independente de quais motivações você e eu venhamos a nos enquadrar, guarde que todas se voltam para o eu, fortalecendo o egocentrismo humano. Ainda tenha em mente que você deve fazer ao outro o que você gostaria que ele lhe fizesse. Você se sentiria bem sabendo que alguém fala mal de você?

É preciso continuamente perceber o que você fala para não trazer problemas para os relacionamentos que mantém. A cada fala mal colocada ou interpretada, certamente virão conseqüências que atingirão uma ou mais pessoas. Se falar por falar já é abrir caminho para expor os outros e principalmente você, imagine falar mal?

A Bíblia como nosso canal de comunicação com Deus, nos revela conselhos sobre o tema. “Não faleis mal uns dos outros (Tiago 4:11). Que imperativo rico em sabedoria. Quantos desentendimentos, discussões e polidas poderiam ser evitadas se o homem ouvi-se atentamente o que Deus está gritando ao seu coração?

Por fim, aqueles que procuram vigiar sua fala, evitando denegrir a imagem de seu próximo e se esforçando para tirar o melhor dos que o cercam, nunca o seu pior, é uma pessoa madura que encontrará paz e felicidade em todos os níveis de sua vida. Isso é um processo, leva tempo, mas depende unicamente de você desejá-lo.

Se hoje você encontra dificuldades nessa questão, peça ao Deus do amor que lhe ajude, suplique de joelhos, clame, e sem dúvidas obterá respostas ao seu chamado, porque Ele lhe ama incondicionalmente e apaixonadamente desde o princípio de todas as coisas e fará o impossível para que você viva dentro de Seu infinito e bondoso coração.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Terras do coração


Você possui uma terra para cuidar. Na vida se pode cultivar alguns tipos básicos de terra com características marcantes: a terra dura, com pedregulhos, espinhos e finalmente a terra boa.

A terra dura é impermeável à entrada da água da vida em seu interior. Lembre-se: Ela é rígida, a semente ao cair sobre ela, não tem forças para entrar. Quem cultiva tal terra, por mais que você fale da Palavra maravilhosa do Criador, a pessoa não ouve, prefere continuar em meio à escuridão espiritual, insistindo andar por caminhos que não lhe fazem bem.

Já a próxima é menos dura, certamente, uma terra melhor, no entanto, cercada de pedras, dificultando a possibilidade de se criar raízes. As pedras são os problemas, ressentimentos que você alimenta e que atrapalham seu bem viver. A Bíblia lhe diz: “... no mundo terá aflições, mas tenha bom ânimo, eu venci o mundo.” (João 16:33) A Palavra afirma que você terá aflições, suas pedras, mas você não deve desistir, pois o Filho de Deus venceu o mundo.

Então, o que fazer com esses pedregulhos? Procure organizá-los de forma a não atrapalhar o crescimento de sua planta. Coloque-os de lado, pedindo auxílio dos Céus e certamente virá e removerá essas pedras no tempo determinado por Ele.

Quanta aquela com espinhos, sua planta não consegue se firmar, uma vez que ao avançar, os espinhos irão sufocando-a. Considere os espinhos as atenções demasiadas que você coloca no mundo. O ser humano que não aceita colocar seu relacionamento com Deus como primasia de sua vida, cultiva terra com espinhos, concedendo imenso valor às coisas transitórias desse planeta e caindo em terreno perigoso para sua salvação.

E por último, os que cultivam a boa terra, produzirão muitos frutos, como o Filho que salva lhe diz ao seu coração: “E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta” (Mateus 13:8) A terra boa é aquela pessoa que apesar das dificuldades e das lágrimas que saem dos seus olhos, escolhe permanecer olhando para Cima, e se esforçam para manter um relacionamento ininterrupto com o Pai e Senhor do Universo através de estudo da Palavra e da oração incessante.

Qual terra você tem cultivado em seu coração? Como ela tem sido? Saiba que independente de qual ela seja, Deus pode transformá-la naquela que produzirá bons frutos e que salvará você para um novo mundo, onde não mais haverá luto, nem prato, nem dor, porque as primeiras coisas passaram (Apocalipse 21:4)

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Indiferença


A indiferença é um sentimento misterioso da natureza humana. Já parou para pensar como ela surge? Convido a me acompanhar nessa análise e através das suas próprias experiências acumuladas reter o que for bom para você.

Sabemos que qualquer relacionamento se desenvolve através de dois pilares básicos: o diálogo e a confiança. Quando um ou ambos deixam de existir ou perdem força, o relacionamento seja amoroso, de trabalho ou familiar, entra em terreno perigoso. Além disso, considere que as coisas que você faz ao seu redor irão produzir frutos, independentes de sua vontade, e você certamente os colherá no tempo certo.

À medida que avançamos ao nos relacionar, estamos nos comprometendo com os sentimentos que iremos desenvolver na outra pessoa, mesmo que você não faça idéia, pois se lembre: mantemos uma conta bancária relacional com cada pessoa e quem determina as retiradas e depósitos não é você e sim a pessoa que recebe o tratamento.

Então a indiferença surge em decorrência de retiradas que a outra pessoa vai fazendo ao se relacionar ou fingir que se relaciona, talvez por aparência, formalismo ou quem sabe, outro motivo, o ponto é que todo problema se origina na forma como você irá se relacionar com as pessoas a partir do diálogo e do nível de confiança construído.

É importante dizer que a fala é um meio que precisa ser continuamente vigiado para não acabar abrindo feridas profundas na alma e utilizada sabiamente para o bem, para aproximar e não para afastar ou magoar. E as atitudes são outro meio que necessita de vigilância permanente, pois o ser humano irá ficar pelo que ele faz hoje.

Da fala e das atitudes, o sentimento de indiferença pode surgir com conseqüências eternas. Sentimento que não provoca alegria e muito menos dor é como uma anestesia espiritual, que por mais que você tente provocar, absolutamente nada perturba, nem mesmo a perda da pessoa.

Reflita como você vem se relacionando com as pessoas, aquelas principalmente com laços de sangue, porque as de trabalho, amizade ou amoroso, muitas vezes vem e vão, mas as que estão em seu DNA, você tem se aproximado ou afastado elas de você através de suas atitudes e fala? Quanto você tem se esforçado para cultivar relacionamentos que constroem e não destrutivos para você mesmo?

Comece analisando seu relacionamento com o Filho de Deus. Porque a vida só é vivida na presença permanente e diária de Jesus, o Filho que salvará você das lágrimas desse mundo, se escolher manter um relacionamento com Ele em cada pensamento e atividade que você alimenta.

Autoria

Consultor de negócios e apaixonado por aprender sobre relacionamentos e viver e falar de Deus a você.