sábado, 26 de janeiro de 2008

Quem muito adia, perigo corre


Você tem alguma coisa que está adiando? Por que não se decide?

Já sabemos que nos relacionamentos sempre existe uma escolha. Permanecer sem dar um rumo à sua vida não deixa de ser uma escolha. Nos acostumamos a adiar decisões importantes para nossa vida.

Adiamos porque temos medo de enfrentar os riscos que tais decisões trazem bem como suas conseqüências. Todo alto ganho envolve aposta, e somente aqueles que sabem realmente o que querem aceitam o desafio. Pergunto: Por que continua adiando? O que te prende? O que te assusta? Ou existem motivos mais sutis que prendem o ser humano no adiamento das coisas?

De fato nos confrontamos com um perigo maior ao adiarmos decisões que precisam ser tomadas. É o perigo de entrarmos em uma zona de conforto, nos acomodando com a situação não resolvida e irmos empurrando com a barriga escolhas que farão a diferença: viver ou perecer.

Quem não gosta do conforto, da situação cômoda, como exemplos: primeiro tenho que acertar minhas dívidas para então assumir o compromisso com o dízimo a Deus. Podendo ser mais grave: primeiro vou resolver os problemas da minha vida, depois irei seguir a Deus.

Além de citar aqueles que se apegam ao pensamento, e pensam, pensam e pensam mais, e nunca agem. Permanecem na inércia que alimentam suas vidas sem grandes apostas, e portanto sem muitos ganhos significativos. Estou falando a você hoje que vive uma situação de inércia psicológica?

É importante pensar, não quero tirar o mérito disso, é de suma importância que tomemos decisões apoiados na razão e não na emoção, no entanto, devemos seguir o que o nosso coração pede e agir, somente assim correremos o risco de realmente sermos felizes nesse mundo. Analise tudo friamente e aja pedindo a orientação do Espírito Santo em suas decisões.

Deus é amor, verdade, misericórdia e justiça. Ele é reto em tudo que faz e deseja ardentemente que você faça escolhas que lhe trarão qualidade de vida e não a sua perda. O contínuo adiamento é com freqüência uma perda gradativa de sua vida, a maior riqueza que você tem, acredite.

Seu passaporte para a vida eterna já está pago e reservado a você. O que lhe falta para buscar? Continuar tentando relacionamentos que só lhe trazem angústia, amargura, sendo que Deus está mostrando uma saída pra sua vida. Talvez algo que você precisa realmente largar mas tem medo de deixar, porque não conhece o futuro, não vê aparentemente outra opção.

Realmente não sei o que lhe falta para se decidir hoje por um caminho melhor, mas lembre-se que a vida que você vive é uma única vez, não terá outra chance, o tempo está passando, decisões precisam ser tomadas, não adie, não se coloque numa área de conforto onde quem é mais prejudicado é você mesmo.

Ore ao Deus que lhe acompanha todos os dias, peça orientação, sabedoria para lhe dar paz, paciência e domínio próprio, isso mesmo, suplique pelos frutos do Espírito Santo e certamente esse Deus grandioso que lhe ama incondicionalmente abrirá o mar vermelho e lhe mostrará uma saída que te levará a verdadeira felicidade e a viver relacionamentos mais significativos e saudáveis para você.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Aposte para ganhar


Você quer ganhar? Quem não quer?

Todos desejam ganhar dinheiro, emprego dos sonhos, relacionamentos saudáveis, no entanto, muito poucos estão dispostos a apostar. O ser humano tem infinitas vontades e na maior parte das vezes, conquistá-las requer um elemento indispensável: a aposta.

A larva para se transformar em uma borboleta, precisa engordar e para isso ocorrer ela deve se aventurar por onde existem passarinhos. Perceba que para a larva ganhar o corpo de borboleta envolve aposta. Na vida para alguma coisa que queremos sempre existe a presença de comprometimento, esforço, tempo, capacidade emocional, intelectual, entre vários outros itens.

Acontece que nem todos estão dispostos a apostar, porque implica em se doar ao desconhecido. E o desconhecido assusta, desperta medo que pode nos deixar inerte diante de escolhas que poderiam nos levar ao pote de ouro ou não. Percebo que muitos dos obstáculos que encontramos para ganhar no dinheiro, no amor, no trabalho estão diretamente relacionados com o medo que toma conta da gente.

Acredite, o medo é grande vilão que nos impede de fazermos escolhas que nos levarão a um estado de felicidade contínua. Conta que os maiores milionários desse mundo e dão pra se contar no dedo, todos eles tem uma característica em comum: apostam por aquilo que vale a pena. Você quer ser rico em todas as esferas de sua vida? Aposte.

A aposta por sua vez envolve riscos. Só de mencionar essa palavra traz calafrio em muita gente. Os riscos existem porque não há certeza de que dará certo. Ninguém pode conhecer o futuro. Uma vez ouvi que se alguém conseguisse prever para amanhã a cotação das ações na bolsa de valores, seria uma pessoa rica.

Na vida também é assim, no entanto, podemos administrar nossos riscos. Procure criar estratégias para lidar com aquilo que você mais deseja:

1)Arrisque no que realmente você vê chances de obter bons ganhos;
2)Determine quanto você está disposto a ganhar;
3)Não acredite no que os outros predizem. Nenhuma pessoa conhece o futuro;
4)Confie em Deus, entrega teu caminho a Ele e o mais Ele fará por você (Salmo 37).

E na vida espiritual não é diferente. Se você deseja ganhar a vida eterna, vida maravilhosa prometida por Deus, vai ter que apostar, se arriscar. Não existe outra maneira. Mas você pode apostar com uma boa administração de riscos: estudo da Palavra, oração, fé, obediência e doação ao teu Deus. Não duvide, com esses elementos, o ganho é certo.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Viver em coerência


Você já se perguntou se a vida que leva lhe parece coerente?

Desde à infância somos bombardeados de conselhos e orientações de coisas que devemos ou não fazer, seja vindo de parentes, amigos, colegas. Vivemos em uma sociedade que se preocupa com a sua imagem e prega religiosamente a ética, moral e integridade em nossos atos.

Não quero entrar no mérito do que é ou não moral e ético, mas desejo me atentar aos conselhos que recebemos continuamente do meio. Grande parte dessas orientações nos fazem bem, se aceitarmos. A questão é quando notamos falta de coerência em quem orienta ou conselha.

A Bíblia é o maior livro de orientações que você pode se apegar sem medo ou riscos. Conselhos ali colocados independentes de quem os escreveu, são bons e lhe conduzirão a um estado contínuo de segurança e esperança que nenhum ser humano jamais poderá lhe proporcionar. No entanto, no momento em que alguém lhe sugere conselhos, essa pessoa pode não estar sendo honesta consigo mesma.

Já se perguntou: Do que adianta eu falar se não vivo o que falo? Eu mesmo como autor desse blog publico infinitos conselhos sobre relacionamentos que podem lhe ser úteis. Procuro trazer tudo ao prisma da Palavra de Deus, porque Ele é o verdadeiro autor de nossas vidas. Um Pai que está em todo lugar, pode tudo e sabe de tudo. Acredito no que escrevo, mas confesso a você que me esforço para viver em coerência.

Percebo pessoas não vivendo o que pensam e falam. Agem no medo que tomam conta do seu ser. Nos relacionamentos, as escolhas são acompanhadas de ações, e estas nos entregam. Talvez você viva falta de coerência que pode não ser descoberta, mas não duvide, está visível à Deus. “Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz.” ( Lucas 8:17)

É importante o esforço na luta pela coerência, porque existe um elemento invisível, o pecado. Não precisamos ir longe para diagnosticá-lo, basta observar um animalzinho, como ele fica tenso quando alguém estranho se aproxima dele. É vidente a forte presença deste elemento em nós e no meio. Um preço alto que estamos pagando e cuja dívida está chegando ao seu fim.

Para buscarmos o poder baseado em princípios precisamos abandonar nossas faltas de coerência e nos esforçarmos para através de nossas ações vivermos em harmonia com o que acreditamos. Somente assim estaremos permitindo que a paz se aloje em nosso ser, e por conseqüência, a prosperidade permeie em nossos diversos relacionamentos.

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Poderes que matam e constroem


Nos relacionamentos, chegamos a uma conclusão: sempre existe escolha. Escolhemos ser fracos, permanecendo impotentes diante das dificuldades, ou poderosos.

Quando escolhemos sermos poderosos, temos em mente tomar decisões em algo que esperamos. O ser humano convive diariamente com o poder, e na maior parte das vezes não sabe fazer bom uso dele. Nosso objetivo é influenciar pessoas para o bem ou para o mal.

Dentro do contexto de poder, a cada dia, em cada situação, podemos fazer uso de três tipos de poder, que afetam profundamente nossos relacionamentos. Temos o poder coercivo, o poder utilitário e o poder baseado em princípios. Acompanhe-me na compreensão de cada um deles e dos resultados que os mesmos trazem consigo.

O poder coercivo age com base no medo. Ele envolve controle, perseguição, ameaças, chantagens emocionais. Note que a pessoa ao escolher tal poder, carrega dentro si medo, é uma pessoa insegura. Por medo, ela toma decisões naquilo que ela pode evitar, ou seja, ela foge, porque vive com medo ou então utiliza a força para que as pessoas façam o que ela quer.

O próximo poder é o utilitário. Utilitário porque ele é útil, funcionando sempre. Ele se baseia no conceito de que eu tenho algo que você quer, e você tem algo que eu quero, portanto, façamos um acordo. Enquanto existirem vantagens em fazer o que nos pedem, permanecemos ali, do contrário, rompemos o acordo.

Este poder é visto com freqüência nos negócios. Enquanto certo fornecedor apresenta uma boa relação custo-benefício com minha empresa, compro dele, quando surgir uma opção melhor, mudo de fornecedor. E nos relacionamentos afetivos, você da conta da existência dele? Dá certo, cada um cuida da sua parte, quando não mais for interessante, o acordo deixa de existir.

Perceba que seus resultados são temporários. Duram enquanto houver medo ou for vantajoso para cada uma das partes envolvidas. Mas infelizmente, são os poderes mais encontrados dentro de quaisquer relacionamentos. Para nosso conforto, existe um último poder, o baseado em princípios, em que todos deveríamos nos esforçar para aprender e praticá-lo para buscarmos relacionamentos mais saudáveis e duradouros.

Ele é baseado no respeito, confiança, ética. Quando tratamos as pessoas com base nesses valores, nosso poder de influenciá-las e, portanto elas fazerem o que queremos, aumenta e o interessante é que os resultados serão de longo prazo. As pessoas irão confiar na gente, porque nós confiamos nelas. Elas irão nos respeitar, porque nós escolhemos respeitá-las primeiro.

Pergunto: Quem é a pessoa que faremos o que nos pedir por nossa própria vontade, porque nós queremos e confiamos nela? Pode ser seu pai, mãe, avós, professores, gerentes, cônjuges. Aqueles que se relacionam com você por amor, com respeito, se importam com sua vida, com suas dores e querem te ver feliz. Deus é uma dessas pessoas na vida de cada um, porque Ele sempre respeita nossas escolhas, é honesto com nossas vidas e nos ama independente do que somos e fazemos.

Convido a buscar o poder baseado em princípios. Neste novo ano, que este seja o seu e o meu desafio. Além de uma decisão consciente de escolher cada vez mais se relacionar com Deus, sem dúvida aprenderemos mais desse poder, que pode dar mais sentido e valor aos nossos diversos relacionamentos.

Autoria

Consultor de negócios e apaixonado por aprender sobre relacionamentos e viver e falar de Deus a você.