quarta-feira, 3 de junho de 2009

Comensalismo


Estudamos no colégio: comensalismo é uma relação entre duas espécies que vivem juntas, onde uma se beneficia dos restos da outra sem prejudicar a mesma. Convido a refletir no comensalismo adaptado para os relacionamentos humanos.

Primeiro: relacionar-se implica na convivência entre duas ou mais pessoas. Segundo: ninguém entra num relacionamento se não for para beneficiar-se, e a princípio, não existe nada de errado nisso.

No entanto, há relacionamentos que vivem ausência de gestão dos benefícios. São pessoas que aceitam o resto que a outra lhe oferece, conduzidas por falta de vida própria. Não se sabe se nunca possuíram ou deixaram de ter vida com assinatura. O fato é que ouvir de alguém “você é minha razão de viver” pode soar como uma declaração de amor, mas ao mesmo tempo, chega aos ouvidos como um alerta de que algo está em desequilíbrio ou em vias de entrar em profunda desarmonia.

É importante dizer: Se forem duas almas com características de, uma se beneficiar dos restos da outra, e essa não se sentir prejudicada, por incrível que pareça, esse relacionamento poderá durar por longa data, e elas vivem o que chamo de comensalismo emocional.

Mas se aquela que não deveria se sentir prejudicado se sente, então o relacionamento sofrerá ruptura para o bem ou para o mal. É inevitável, porque quando a outra percebe que você vive em função dela (seus pensamentos, são os pensamentos dela, seus gostos, são os dela), com o tempo essa mesma pessoa irá romper. Tudo porque você não cuidou da gestão dos benefícios.

Para se fazer uma gestão eficiente dos benefícios, implica antes de tudo, maturidade para aprender a viver com suas próprias emoções e não pedir emprestado. Significa dar um passo com grandes mudanças internas e também externas, e essas mudanças apavoram muita gente, e sabe por quê? Ou não sabem que existe um Pai que cuida delas e irá apoiá-la na transformação, ou então, sabem, mas não colocam lá muita confiança.

Não sei hoje como está a sua vida. Se for espécie que se beneficia dos restos sem a outra parte sentir-se prejudicada, a decisão é sua continuar neste comensalismo emocional. Por outro lado, se você se vê beneficiando-se dos restos, e percebe que a outra se sente prejudicada, então, convido a parar e rever o que espera pra você. Se realmente deseja manter-se beneficiando dos restos, deve procurar outra espécie para viver o comensalismo, porque mais cedo ou mais tarde, a ruptura virá e em seguida, a dor.

Lembre-se que a escolha é sempre sua, se colhe o que se planta, não há mágica nessa filosofia, ela é simples, real e dura. Viver em comensalismo ou não? Quem responderá? Talvez você, talvez seu Deus. Se for Ele, a promessa será cumprida, confie.

2 comentários:

A Loba disse...

Você cada dia se supera, Henry.
Adorei o "comensalismo".penso que é a nossa mais pura realidade hoje.Viver para o outro, em função do outro...nossa! isso é terrível mesmo.
abraço!
Jaque Maia

maria disse...

me surpreendi com o relato sobre o comensalismo.
e uma realidade microbiologica que esta presente a cada segundo de nossas vidas.
beijossss!

janina luana

Autoria

Consultor de negócios e apaixonado por aprender sobre relacionamentos e viver e falar de Deus a você.