quarta-feira, 29 de julho de 2009

Diligência nos relacionamentos


Viver a vida já é difícil, e se ainda não houver diligência torna-se praticamente impossível.

Se eu não tivesse sido diligente num determinado momento da minha vida num aspecto em particular e por minha própria escolha, hoje você não estaria lendo esta reflexão e nem tantas outras já escritas, porque estaria numa busca frenética por culpados, que nunca existiram.

O ser humano é motivado por desejo de ganhar pessoas e coisas, e medo de perdê-las. Além disso, é da nossa natureza buscar sempre a lei do menor esforço, o que oferece menor resistência. Não mudar hábitos, estilo de vida, por mais que eles reforcem defeitos de caráter, isso não é ser diligente. Usar a expressão mais comum nos relacionamentos: “quem gostar de mim tem que me aceitar do jeito que eu sou”, aquele que diz essa frase e a vive na pele, não está sendo nem um pouco diligente.

E sabe qual é o resultado daqueles que não aceitam a diligência em seus relacionamentos? O fracasso. Fracasso porque ou irá viver relacionamentos sem conteúdo, que irão estrangular sua alma, ou então, porque você acabará como uma pessoa sozinha, não por escolha própria, mas por escolha dos que rodeiam à sua vida.

Novamente, você escolhe. Deus não irá forçar que você seja diligente, mas irá criar condições para favorecê-la, porque Ele lhe ama. A perda de uma dor é um estímulo para levar você a ser diligente. O que isso significa? Entender o porquê da perda, buscar conhecimento e aplicá-lo no seu dia a dia, mudar hábitos ruins, encontrar parceiros, entre eles, o amigo terapeuta para lhe auxiliar a enxergar coisas que hoje você pode não ver. Tudo isso e mais um pouco faz de você alguém diligente.

Ir por esse caminho, que exige dedicação, esforço e trabalho inteligente, fará de você uma pessoa diligente. A diligência não traz resultados instantâneos, mas sim em médio a longo prazo, e com um detalhe, haverá sucesso nessa escolha sábia.

Salomão, em várias passagens de Provérbios, comenta sobre a diligência nos relacionamentos. O grau de importância, as conseqüências de não praticá-la, portanto, é conselho bíblico buscar desenvolver a habilidade da diligência, que é contrária à nossa inclinação desde que nascemos que se resume em percorrer aquele que oferece menor resistência, o caminho da preguiça emocional.

Não sei como anda sua vida, o que tem feito dela até aqui, quem você perdeu, ou deixou de ganhar, o quanto você se vê claramente diante do espelho do coração, mas uma coisa é certa: se você escolher hoje o caminho da diligência, de buscar ajuda, seja ela profissional ou não, e fazer todo esforço para se tornar excelência, dar o melhor de si, você obterá sucesso.


Guarde para reflexão: “O diligente será soberano, enquanto os negligentes se tornarão escravos” (Provérbios 12:24)

Nota: As reflexões do RelacPeople passarão a ser quinzenais.
Trazendo sempre temas para fazer você pensar e agir com intuito de estar um passo a frente consigo mesmo.

Próximo texto: Previsto para 12/agosto, "Se a terra se abrir"

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Sabor do maná

Essa reflexão você encontra com seus detalhes no livro de Números, capítulo 11, vale a leitura.

Quando foram libertos do poder dos inimigos, algo passou a cair dos céus para alimentar diariamente aquele povo que marchava rumo à terra prometida, e então exclamaram “maná” que significa “o que é isso”.

Maná tinha gosto de mel, misturado com azeite. Não se sabe ao certo com precisão seu sabor, mas certamente era precioso e que Deus provinha ao Seu povo. Há dois detalhes: ele precisava ser consumido no dia, se guardasse para o próximo, se estragava, e outro era que na sexta-feira de cada semana, Deus enviava uma porção dobrada do maná, porque no sábado nada Ele mandava, e essa porção especial não se estragava, tamanha a importância do sábado para Deus e a quem o negue ainda hoje.

Acontece que por muito tempo o povo recebeu só maná de Deus. Fazendo uma analogia, seria o mesmo que você e eu comêssemos nossa comida favorita continuamente. E então, as pessoas começaram a perder o sabor do maná em seus íntimos, porque saíram do foco. Passaram a se queixar fazendo-se lembrar que embora fossem escravos no Egito, havia ali comidas saborosas que podiam degustar. Essa queixa desagradou profundamente a Deus, porque tudo que Ele havia feito até ali era para o bem de cada filho Seu.

As pessoas se esqueceram do significado mais profundo do maná que nada mais era do se lembrar da provisão de Deus num local onde não havia nada, a não ser deserto de horizonte a horizonte. O maná era a proteção de Deus alimentando seu povo rumo a um destino reservado a eles. Era privilégio, e mesmo assim se esqueceram tornado-se insatisfeitos e queixando-se de que no Egito, na terra de escravos em que assumiam esse papel, eram mais felizes. Teria esse povo se tornado louco, ingrato?

O quanto você e eu em nossa caminhada rumo ao lugar além do rio, agimos da mesma maneira que aquele povo escolhido? Será que ainda mantemos o sabor do maná quando vamos à casa de Deus adorá-lo e louvá-lo? Ou será que ainda acordamos com aquela alegria do primeiro amor, e aqui explico: o dia que descobrimos existir um Deus que é amor, se fez amor e morreu por amor. 2 Coríntios 5:21

Certamente devemos cuidar para não perder o sabor do maná, da provisão de Deus para continuarmos as nossas lutas, ainda que muito difíceis, num mundo condenado à destruição. Devemos fazer nossas escolhas do dia sem olhar pra trás, e se alimentar diariamente do maná, que nos vem através do ouvir e do ouvir da Palavra de Deus Romanos 10:17.

As escolhas que você faz hoje, as pessoas com quem se relaciona, os lugares que freqüenta, as literaturas que lê, os programas que assiste, os sons que ouve, os alimentos que come, a palavra que sai da sua boca, os pensamentos que se formam, tudo influencia no sabor do maná que Deus envia a você a cada dia.

Ore a Deus para que você nunca perca o sabor do maná, que esse mesmo Deus ocupe seus pensamentos a todo o momento e que tenha a real noção da Sua proteção, cuidado e amor em abundância.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Passa rápido


Se existe uma variável que não controlamos essa variável chama-se tempo. A qualidade de vida, pessoas que escolhemos para perto, tudo isso e mais um pouco está em nossas mãos interferir. Mas e o tempo? Qual é o nível de interferência que estamos habilitados realizar sobre ele?

A vida passa e continuará a passar dia após dia. Conseguimos por nosso temor, adiar decisões importantes, no entanto, nada podemos fazer sobre a atuação do tempo em cada um de nós. O tempo atua em nosso físico, emocional e também espiritual de nossa existência, às vezes de forma sutil, que quando constatamos, ele já nos levou as pessoas e oportunidades que estavam batendo à nossa porta.

Isso é o tempo, ontem, hoje e amanhã. Ele é como fogo que arde sem se ver. Não tocamos no tempo, porém ele não só toca como é capaz de destruir vidas, bem como de reconstruir esperança. É de costume se ouvir a expressão: “tudo há seu tempo”. Mas pergunto a você com sinceridade de coração: até quanto devemos esperar por decisões que precisam ser tomadas agora? Será que não é o mesmo que falar ao fogo: “vá devagarzinho, sem pressa”; e ele, vem avançando cada vez mais em nossa direção?

Na vida tudo passa rápido. Num piscar de olhos e você pode nem mais estar nesse mundo. Isso aconteceu recentemente com um astro, conhecido como o rei da música pop. Numa noite, estava ele em ensaios para um megashow, no outro dia, sem mais nem menos, seu corpo havia voltado para o pó da terra.

Se você tem hoje condições de se decidir por uma direção, ainda que ela seja completamente obscura em seu futuro, decida. Lembre-se: tudo passa muito rápido, e, portanto, aja, tenha atitude e dê o primeiro passo rumo a uma direção diferente da que hoje permeia a sua vida.

Não brinque com o tempo, porque ele não está de brincadeiras com você. E o que falar da vida espiritual? Será que você não recebeu um convite para visitar uma igreja diferente de todas que já foi? Alguém pode lhe ter feito o convite para estudar com mais ordem a Palavra de Deus, e você vem hesitando em aceitar. Ou quem sabe, você já conhece toda a verdade, mas falta coragem para se decidir pelo batismo. Por que o medo? Você não confia que Deus está no comando de sua vida?

O conselho é: não brinque com o tempo, dê oportunidades a você, esteja pronto como ser humano a dar o primeiro passo. Recorde o que está em Apocalipse 1:17: “Não temas”, isso é a Palavra de Deus falando ao seu coração. Por que hesitar? Por que esperar ainda mais? Na vida tudo passa rápido, rápido por demais. O que estamos fazendo com o tempo que Deus nos deu?

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Longe de casa

Aqueles que saíram cedo para fazerem suas vidas sabem o que é viver longe de casa. Mas a reflexão diz respeito à outra casa. Uma que nos espera ansiosamente, e vem sendo preparada para nos receber com zelo, amor e carinho por um Pai que é Maravilhoso, Conselheiro, Príncipe da Paz Isaías 9:6

Você e eu vivemos muito longe de nosso verdadeiro lar. Com a partida de Casa, experimentamos dores, preocupações, doenças, e uma infinidade de outros obstáculos inerentes à existência humana. Essa partida se iniciou quando escolhemos quebrar nosso relacionamento com Deus, porque queríamos viver independentes da vontade do nosso Criador.

E hoje pagamos um preço alto demais por essa escolha. Que preço maior pode existir por vivermos separado da presença de Deus e com a tendência de não fazermos o bem? A semana inicia, ocupamos tempo com todas as atividades possíveis e também impossíveis, enfrentamos desilusões, sentimos medo do amanhã, e quando percebemos seis dias se passaram e não nos relacionamos verdadeiramente com Deus.

Mas graças ao amor incondicional desse Pai, recebemos de presente o sétimo dia, para desligar-se de qualquer preocupação humana, voltar os olhos e a mente para adorar ao Deus, Senhor de nossas vidas, e assim se aproximar um pouco do divino. Com o sétimo dia, nos damos conta de que virá em breve Seu Filho para nos levar de volta à nossa Casa, de onde jamais deveríamos ter deixado.

A maior vontade de Deus está resumida em João 6:40 “Aquele que vê o Filho e crê nEle tem a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia”. Portanto, é condição para voltarmos à nossa Casa, conhecer, entender e se relacionar de forma íntima com Jesus. Ele tem a chave da porta principal de entrada.

Não sei como anda sua vida. O que tem feito dela nos últimos anos. Talvez você não conheça a Carta de amor que Deus lhe deixou escrita com sangue de Gênesis a Apocalipse. Talvez conheça, mas não acredite, ou quem sabe, por razões ocultas, ignore a Fala de Deus. Não importa, hoje e agora é o momento pra decidir querer voltar pra Casa, e se preparar porque Ele, Emanoel, o Deus conosco, virá.

O Seu nome, Jesus, tem poder para mudar o seu viver, e poder para fazer maravilhas em você, apenas aceite a Sua mão que lhe é estendida. Ele é eterno e imutável. Com esses dois atributos recebemos estabilidade e segurança para confiar em Alguém que é o mesmo ontem, hoje e sempre.

Guarde para reflexão: “Porque assim diz o Senhor Deus: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei”. Ezequiel 34:11

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Momentos de solidão

Relacionamento não significa apenas se relacionar com os outros, mas também consigo mesmo. E como é possível desenvolver esse relacionamento peculiar?

A resposta é aprender a conviver, de modo satisfatório, com a solidão. Seja porque você é uma pessoa que está sozinha por razões que só você e seu Deus conhecem, ou pela condição de estar sozinha por algumas semanas, dias, quem sabe até horas.

É de suma importância você se gostar antes de pensar em gostar de alguém. E para se gostar é preciso se conhecer, e para se conhecer você tem que aprender a viver momentos de solidão.

Acontece que o ser humano tem pavor de ficar sozinho, e motivado por esse grande medo acaba geralmente escolhendo parceiros que não tem muito ou nada a ver com o seu eu. Simplesmente escolhem alguém porque sentem pavor de viver a solidão. Isso justifica muitos namoros que acabam em casamentos e quando se dão conta, percebem que entraram numa prisão emocional e moral e pior: convivendo com um estranho debaixo do mesmo teto. E aí irão pagar um preço alto para sair de uma emboscada dessa magnitude, se é que conseguem sair.

Aprendi que a solidão é um momento único na vida de uma pessoa. E depende unicamente de você fazer do limão que a solidão inicialmente desperta em seu coração, numa saborosa limonada com conseqüências, lá na frente, pra lá de especiais.

Realmente dar o primeiro passo para experimentar viver a solidão com alegria é duramente difícil. Nossa mente costuma buscar as mais variadas justificativas para que esse passo não aconteça, incluindo uma antecipação exacerbada de sofrimento, que só existe em nossa cabeça. A chave disso está numa palavrinha simples e objetiva: ação. É preciso agir diante da vida. Quem fica só esperando, poderá acabar cheio de teias de aranha, e isso é muito sério.

Não tem segredo, é preciso dar o primeiro passo, e aí vai a orientação:
1)Pense em algo que você gosta muito de fazer: pode ser um passeio no parque, visitar um bairro mais nobre, ver as vitrines de um shopping; Sempre existe alguma coisa que a gente adora fazer.

2)Escolha um dia e planeje gastar uma ou duas horas realizando a atividade escolhida acima.

3)Estando sozinho(a) procure curtir o momento, deixar o seu eu falar com você.

4)Com o tempo, busque outras atividades mais desafiadoras, como por exemplo, ir ao cinema, ou até mesmo ver um show, mas só você.

Afirmo que à medida que se avança para viver momentos únicos de solidão, o medo vai diminuindo de intensidade e o resultado será positivo para seu ser antes de qualquer outra coisa.

Lembre-se: Você é a pessoa mais linda que Deus tem. É do desejo do coração de Deus que você viva relacionamentos saudáveis, a começar por relacionar-se consigo mesmo. Não abra mão disso, aja sem medo de ser feliz.

Autoria

Consultor de negócios e apaixonado por aprender sobre relacionamentos e viver e falar de Deus a você.