sábado, 20 de novembro de 2010

Como quero beijar?


A pergunta é o centro da reflexão. Como queremos realmente beijar nessa vida? Qual é a qualidade dos relacionamentos que queremos alimentar?

Quando se fala em relacionamento amoroso, deve vir à nossa mente sempre dois tipos de beijo metaforicamente falando: o de pé e o de joelhos. São das atitudes que você tem em relação ao seu parceiro(a) que vai determinar como conseqüência se você beijará de pé ou de joelhos.

Beijar de pé é você ter amor próprio, se amar antes de pensar em amar alguém, é se respeitar, não aceitar a vontade egoísta do outro, é se valorizar acima de tudo e de todos. Também é não se expor, e sim, se preservar. É dar, mas também é receber. Pois quando só se dá e se recebe pouco ou nada, você seguramente não está beijando de pé, apenas não tem conhecimento disso.

E dar o quê? Dar seu tempo, sua paciência, atenção, carinho, dedicação, compreensão, cuidado, colo, esforço, abrir seu coração, entre muitos outros ingredientes indispensáveis para se viver relacionamentos saudáveis. E quando você percebe receber pouco ou nada, algo de muito errado está acontecendo e te levando a beijar não mais de pé e sim de joelhos.

Beijar de joelhos é se anular em função do outro, é fazer do outro a prioridade da sua vida, enquanto na verdade deveria ser somente uma possível opção. É mais: é ficar jogando pérolas a porcos, é se submeter a humilhações físicas e emocionais, é perder o próprio respeito, é deixar que te roubem de você. É sugar todo seu sangue até não deixar uma gota se quer, é jogar jogos emocionais. Beijar de joelhos é aceitar que o egoísmo do outro domine todo o relacionamento. É morrer estando vivo.

Uma vez que você conhece os dois tipos de beijo, a escolha é unicamente sua se você quer continuar beijando de joelhos ou vai se posicionar, tomar uma atitude e escolher beijar de pé. Você pode se perguntar? Qual o preço de se beijar de pé? Ele realmente pode ser muito caro, uma vez que você deverá enfrentar medos do desconhecido, inseguranças, culpas imaginárias, aparentes fracassos e uma infinidade de emoções negativas. É como enfrentar um Golias quando se escolhe beijar de pé.

Porém, um relacionamento só vale a pena se os dois beijarem de pé. São relacionamentos equilibrados que tem mais chances de funcionarem e não o contrário.

Que Deus ilumine sua mente para lhe dar força e coragem para escolher beijar de pé e viver relacionamentos altamente significativos e que apóiem um ao outro a chegar às mansões celestiais, que foram preparadas para aqueles que amam o Criador.

Um comentário:

Paulo Costa Machado disse...

Eu acho que quando duas pessoas se juntam, elas estão dispostas a unir suas qualidades e mudar seus defeitos, e assim se tornarem uma so pessoa! Mais muitas das vezes há casais que não conseguem fazer isso e acabam se separando. Gostei do tema. Abraços

Autoria

Consultor de negócios e apaixonado por aprender sobre relacionamentos e viver e falar de Deus a você.